Brasília - DF
16 de agosto de 2017

Um apelo para 2016

Admiráveis Camaradas ao dar adeus ao ano que se vai e dar oi ao que chega peço atenção a todas (os) em prol das vítimas das chuvas por todo o Brasil, as quais tem sofrido com as inundações por causa do descaso dos governos com relação ao meio ambiente, por vender a terra que pertence ao brasileiro a preço de banana aos estrangeiros, causando no pais grandes desgraças ecológicas como foi o caso de Mariana e de tantas outras que, por causa de uma política neoliberal percebemos que a sustentabilidade é uma utopia.

Deixo um salve ao povo brasileiro incluindo em especial os índios, quilombolas, negros e outros povos que tem carregado o peso em suas costas desse mesmo descaso, sofrendo e recebendo como paga a dor e o desespero pela omissão e visão capitalista onde todos os projetos executados sempre valorizam mais o rico e o lucro que o nosso povo e a nossa gente.

Quero desejar aos milhares de refugiados e migrantes dos países africanos, do oriente médio e de tantos países os quais podemos ouvir os seus gritos de socorro, os quais muitos perderam pessoas queridas tragadas pelas águas do Mar Mediterrâneo, na tentativa de chegar à Europa, que não lhes falte esperança e que o mundo os veja com respeito, carinho e compaixão como todo ser humano dever ser visto.

Desejo que 2016 seja um ano em que toda classe de Intolerância religiosa, étnicas e outras formas de rechaço, discriminação e de vulnerabilidade social as quais no ultimo ano tem crescido de forma exuberante expondo milhões de pessoas a condições de extremo sofrimento, de abandono, e de morte sejam repudiadas na mente, e no coração do povo brasileiro e do governo.

Que em 2016 podemos entender que o combate à economia suja, a corrupção e ao sistema político atual é a única forma que temos para almejar e ver as mudanças que desejamos e necessitamos para viver em paz.

Que possamos compreender que o cuidado as crianças, jovens e idosos é a única forma de avançar para o futuro sem matar o passado de luta de todos aqueles que trabalharam na construção da nação.

Que o amor e o cuidado ao próximo não seja menor que o amor pelas riquezas e por nos mesmos, que possamos lutar para ser, fazer o que somos e queremos sem nos esconder através de uma vida de engano próprio onde esse mesmo engano pessoal nos destrói interiormente dia traz dia.

Que em 2016 tenhamos consciência que não são poucas as crianças e adultos que trabalham e são escravizados nos mais diversos setores da sociedade onde os patrões visam o ganho e o lucro, sem se importar com os direitos trabalhistas e humanos.

E por fim digo-vos que o mundo só será novo se inovar e renovar o nosso interior, deixando de lado o orgulho e egoísmo, que são eles que fazem nos sentirmos superiores em nossas vidas.

E que em 2016 possamos ter uma maior consciência com relação à sustentabilidade e ao meio ambiente, que possamos dar atenção ao próximo e respeitar os direitos de ir vir.

Feliz 2016

Amilton Farias:

Jornalista – Escritor – Conferencista Internacional – Profissional na Área de Comunicação – Conselheiro Estadual de Cultura do Paraná – Diretor Presidente do Projeto NewForLife – Porta Voz Geral da Rede Sustentabilidade no Estado do Paraná – Presidente do Centro de Direitos Humanos de Foz do Iguaçu – Se

Comentarios