Brasília - DF
16 de agosto de 2017

#SomosTodosAdemirGonçalves – Juíz nega pedido do MP e pede afastamento do delegado da PF do caso do Jovem que Foi torturado e Morto na Aduana Brasil/Paraguay

Após analisar os pareceres técnicos e defesa dos peritos e advogados da Família do jovem Ademir Gonçalves que foi torturado e morto na Aduana da Fronteira Brasil/Paraguay, por servidores da Receita Federal, o Juiz Edilberto Barbosa Clementino entendeu que é um caso que envolveu a opinião pública e é necessário dar atenção maior.

Sendo assim pós analisar o Juíz deferiu o pedido feito pelos advogados da família que eram:

A Exumação do corpo:  Assim será possível confirmar o que disse os pareceres técnicos dos peritos da família que  Ademir não tinha ingerido nada, descartando assim o parecer da Policia Federal que dizia que ele colocou pra fora um pedaço de plástico.

– Realização de outro exame toxicológico: Refazendo esse exame será possível comprovar que Ademir não havia se drogado e nem estava sobre efeito de substância  toxica.

Afastamento do delegado da Polícia Federal: O juíz entendeu que nesse momento o afastamento do Delegado Renato Obikawa kyosen responsável pelo caso do Ademir Gonçalves seria  a melhor coisa a se fazer pois o mesmo pode seguir prejudicando o andamento do processo.

É importante dizer que a decisão do juiz aconteceu porque a população, O Centro de Direitos Humanos de Foz do Iguaçu e outros organismos de defesa dos direitos humanos tem se pronunciado com relação ao caso do Ademir Gonçalves

O brasileiro sempre viu o estado como provedor, deixando de vê-lo como o maior causador de problemas e mortes na sociedade, é importante que a população entenda que:  “A falta de envolvimento da sociedade permitem que leis criadas favoreçam políticos, membros do executivo e do judiciário envolvidos em corrupção e roubos do cofre público continuarem legislando.

O envolvimento da sociedade ainda é a única coisa que o estado teme, quando a sociedade se une em luta nas manifestações e atos, em ações legitimas em defesa dos direitos, enfraquece o domínio do estado e inibe a corrupção.

Se o povo não denunciar, e não se unir o estado seguira cumprindo o papel que não é o dele, mas é o que ele tem feito durante anos que é o de matar e ferir os direitos básicos da sociedade comum.

Amilton Farias:

Jornalista – Escritor – Conferencista Internacional – Profissional na Área de Comunicação – Conselheiro Estadual de Cultura do Paraná – Diretor Presidente do Projeto NewForLife – Porta Voz Geral da Rede Sustentabilidade no Estado do Paraná – Presidente do Centro de Direitos Humanos de Foz do Iguaçu – Secretario Geral do Nucleo ODS de Foz do Iguaçu

Comentarios