Manifesto

“É pela liberdade que luto, liberdade de todos os humanos, porque sei que uma vez livre, ele libertará os animais e a natureza. Não existe felicidade sem liberdade”

“A solidariedade a justiça e a fraternidade são qualidades que só o homem livre possui”

O sonho de libertar o mundo da opressão, das guerras e da injustiça, começa em nós, na nossa liberdade individual”

Amilton Farias

Princípios:

Liberdade
– Reconhecemos que apenas a liberdade de pensar e de viver dos individuos produzira justiça entre os homens, a sociedade jamais desfrutará de paz, enquanto viver dominada por dogmas, conceitos e preceitos de grupos
específicos.
– Reconhecemos que defender a laicidade, a liberdade individual de crença e de não-crença, respeitando a formação multicultural dos indivíduos e combatendo toda dominação religiosa.

 Municipalismo
– Reconhecemos o municipalismo como organização política. Vida social se constitui nas cidades e municípios e nelas que o individuo vive e dela sobrevive, se construirmos o município baseado na democracia direta, abriremos espaço de participação popular, com isso o poder de decisão deixa de ser de grupos individuais passando a ser da comunidade o poder de decisão.
– Reconhecemos que é a comunidade que sente na pele as necessidades humanas,  econômicas e sociais, por isso ela é a unica capaz de gerar soluções e dar respostas aos problemas vividos.  O envolvimento da comunidade nas decisões politicas, econômicas e sociais o faz entender que o egoísmo e  do individualismo é o mal da humanidade em contra a partilha de ideais e o coletivismo na tomada de decisões  é a única forma de transformar o indivíduo e toda a sociedade.

Apoio Mútuo
– Reconhecemos que não há saída individual, os problemas da sociedade só será resolvido quando a própria sociedade se unir em busca da solução. Não existe soluções individuais para problemas coletivos.

Direitos Humanos e Sociais
– Reconhecemos que jamais poderemos transformar o hoje sem entender conhecer o sofrimento passado e atual das trabalhadoras e trabalhadores, das populações historicamente excluídas por sua raça, credo ou sexualidade.
– Reconhecemos a importância do enfrentamento ativo e combate as desigualdades, a luta diária pela garantia de direitos sociais, civis, políticos e econômicos ás mulheres, negros, á comunidade LGBT, índios, quilombolas, ribeirinhos e outros.


Mídia Livre

– Reconhecemos que o lucro tem sido posto a cima da verdade, da coerência e da justiça nos fatos ao divulgar a informação, por isso se faz necessária e urgente a democratização dos meios de comunicação, de forma alguma podemos aceitar ou permitir que sigam transformando os veículos de comunicação em grandes empresas, que interesses de políticos e grupos econômicos se sobressaiam aos interesses públicos e sociais. .
– Reconhecemos que só o compromisso com a verdade, a repulsa e rechaço a divulgação de dados falsos, manchetes enganosas, imagens trucadas e manipuladas, ou vídeos caluniosos. A divulgação da mentira e do engano e um retrocesso a democracia e a educação.

Rechaço às formas de discriminação e opressão:

Rechaçamos e combatemos qualquer forma de discriminação e opressão baseada em critérios raciais, de gênero e expressão da sexualidade, de nacionalidade e diferenciação cultural, etc. Combater o patriarcado, o machismo, a homofobia, o racismo e a xenofobia são partes intrínsecas do pensamento e da prática libertárias. No entanto, ressaltamos que estas lutas só podem assumir um caráter emancipatório se conseguirem ultrapassar a fragmentação e as sucessivas tentativas de capitulação destas lutas a lógica mercantil e estatista, que visa criar potenciais consumidores e nichos de mercados específicos (produtos próprios para negros, lugares exclusivos para gays, etc) e limitá-las a uma luta por direitos de setores específicos, separando-as de uma crítica à totalidade da sociedade capitalista.

 

O caminho para a liberdade é a própria liberdade.